As dimensões da humanização nas práticas de Terapia Ocupacional na saúde mental/The dimensions of humanization in the practice of occupational therapy in mental health

Raphael Aguiar Leal Campos, Lucas Salgueiro Lopes, Ricardo Lopes Correia, Lisete Ribeiro Vaz

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar as publicações sobre as relações entre a Política Nacional de Humanização (PNH) e a área de Terapia Ocupacional em Saúde Mental. Trata-se de uma pesquisa de revisão narrativa da literatura, com busca bibliográfica em bases de dados e diretamente nos sites eletrônicos de periódicos em Terapia Ocupacional no Brasil. Identificaram-se entre 12 artigos, quatro dimensões: Pessoal, Contextual, Profissional e Legal. Compreendeu-se que há grande concordância destas dimensões com os direcionamentos da PNH, em especial a maior frequência de publicações relacionadas às mudanças de modelos e abordagens (dimensão profissional) e à busca de garantia de direitos e cidadania (dimensão legal). Assim, há forte consonância das práticas da Terapia Ocupacional em saúde mental com a Política Nacional de Humanização e consideram-se tais dimensões no cenário brasileiro mais amplo, em particular a partir de 2016, momento de atenção ao desmantelamento das instituições democráticas promovidos pelo Estado brasileiro a partir de então.

 

Abstract

This article aims to analyze the publications which establish relationships between the National Humanization Policy (NHP) and the Occupational Therapy in Mental Health in Brazil. It is a research of narrative revision of the literature, in which a bibliographic search was carried out in databases and directly in the electronic sites of journals in Occupational Therapy in Braziland use of content analysis procedures for data processing. Of the 12 articles included in the studyfour dimensions, namely: Personal, Contextual, Professional and Legal. It was understood that there is a great agreement of these dimensions with the directives of the HNP, in particular the greater frequency of publications related to the changes of models and approaches (professional dimension) in Occupational Therapyand the personal and social view of subjects with mental disorder (personal dimension). It is concluded, therefore, that there is a strong convergence of the Occupational Therapy practices in mental health with the HNP.

Keywords: Humanization of care; Mental health; Occupational therapy.


Palavras-chave


Humanização da assistência; Saúde Mental; Terapia Ocupacional

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acessado em: 15 de nov; 2017.

Portal da Saúde. Do sanitarismo à municipalização. Disponível em: http://u.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/historico. Acessado em: 01 de mar; 2018.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm. Acessado em: 15 de nov; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Carta de Mobilização - SUS 20 anos – A Saúde do tamanho do Brasil. Ministério da Saúde. Brasília; 2008.

Portal da Saúde. Sobre o programa. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/acoes-e-programas/humanizasus/sobre-o-programa. Acessado em: 01 de mar; 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Ministério da Saúde. Brasília; 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_2004.pdf Acessado em: 15 nov. 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização. Ministério da Saúde. Brasília; 2003. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizaSus.pdf Acessado em: 15 nov. 2017.

Barros MMM; Jorge MSB. Concepções e práticas de atenção à saúde mental: o discurso do sujeito coletivo. 1 ed. Ceará. Editora da Universidade Estadual do Ceará; 2011.

Amarante P. Saúde mental e Atenção Psicossocial. 3ª ed. Rio de Janeiro. Editora FIOCRUZ; 2011.

Oliveira FNG; Dutra MP; Hein RCB; Machado VB. Modelos e experiências de uma rede de atenção em saúde mental. 1. ed. Curitiba. Editora CRV; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Caderno HumanizaSUS: volume 5 Saúde Mental. 1. ed. Brasília. Ministério da Saúde; 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_mental_volume_5.pdf Acessado em: 15 nov. 2017.

Bardin L. Análise de conteúdo. Edições 70, Lisboa, 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Documento Base para Gestores e Trabalhadores do SUS. Gestores e Trabalhadores. 4. ed. Ministério da Saúde. Brasília; 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_documento_gestores_trabalhadores_sus.pdf Acessado em: 15 nov. 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Clínica Ampliada, Equipe de Referência e Projeto Terapêutico Singular. 2. ed. Ministério da Saúde. Brasília; 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_2ed.pdf Acessado em: 15 nov. 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização da Atenção da Atenção e Gestão do SUS. Redes de Produção de Saúde. 1. ed.Ministério da Saúde. Brasília; 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/redes_producao_saude.pdf Acessado em: 15 nov. 2017.

Jardim TA; Afonso VC; Pires IC. A terapia ocupacional na Estratégia de Saúde da Família – evidências de um estudo de caso no município de São Paulo. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2008; 19(3): 167-175. DOI http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v19i3p167-175:

Canon MBF; Noveli MMPC. Identificação dos sintomas comportamentais e psicológicos em idosos moradores de uma Instituição de longa Permanência. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2012; 13(1): 72-80. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v23i1p72-80

Mângia EF; Yasutaki PM. Itinerários terapêuticos e novos serviços de saúde mental. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2008; 19(1): 61-71. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v19i1p61-71

Mângia EF; Cacci EC. “Pensando o Habitar” Trajetórias de usuários de Serviços Residenciais Terapêuticos. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2011; 22(2): 182-290. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v22i2p182-190

Bertagnoni L; Marques ALM; Muramoto MT; Mângia EF. Núcleo de Apoio à Saúde da Família e Saúde Mental: itinerários terapêuticos de usuários acompanhados em duas Unidades Básicas de Saúde. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2012; 23(2): 153-162. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v23i2p153-162

Ribeiro MBS; Bernal M; Zaponi EPG. Relato de experiência de aprimorandos do programa de Terapia Ocupacional em Saúde Mental numa enfermaria de pediatria. Cad. Bras. Ter. Ocup. 2008; 16(2): 113-121. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/125 Acessado em: 08 mai. 2018.

Detomini VC; Bellenzani R. Construindo a participação social junto a usuários de um grupo de apoio: desafios para a qualificação da atenção em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Cad. Bras. Ter. Ocup. 2015; 23(3): 661-672. DOI: https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoRE0578

Gomes MGJPB. A interconsulta de Terapia Ocupacional no Hospital Geral: um convite feito há mais de 10 anos. Rev. CETO. 2010; 12(12): 21-26. Disponível em: http://www.ceto.pro.br/revistas/12/12-04.pdf Acessado em: 08 mai. 2018.

Arrigoni R. Onde habitar é possível. Rev. CETO. 2013; 13(13): 67-73.Disponível em: http://www.ceto.pro.br/revistas/13/09-arrigoni.pdf Acessado em: 08 mai. 2018.

Ferreira TPS; Costa CT. Saúde e redes vivas de cuidado integral na atenção básica: articulando ações estratégicas no território. Rev. Interinst. Bras. Ter. Ocup. 2017; 1(3): 269-281. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ribto/article/view/4750 Acessado em: 08 mai. 2018.

Costa VC; Souza LP; Pinheiro DM; Vaz LR; Mecca RC; Alves SG. Afetos, sabores e trilhas: a oficina de culinária como operador clínico da desinstitucionalização. Rev. Interinst. Bras. Ter. Ocup. 2017; 1(3): 300-317. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ribto/article/view/9676 Acessado em: 08 mai. 2018.

Tszesnioski LC; Nóbrega KBG, Lima MLLT; Facundes VLD. Construindo a rede de cuidados em saúde mental infantojuvenil: intervenções no território. Rev. Ciência & Saúde Col. 2015; 20(2): 363-370. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015202.05082014




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto17676

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB