Pandemia, desigualdade social e necropolítica no Brasil: reflexões a partir da terapia ocupacional social/Pandemic, social inequality and necropolitics in Brazil: reflections from social occupational therapy

Giovanna Bardi, Waldez Cavalcante Bezerra, Gustavo Artur Monzeli, Lívia Celegati Pan, Iara Falleiros Braga, Maria Daniela Corrêa de Macedo

Resumo


A pandemia provocada pela CoVid-19 tem se expandido e levado à uma grave crise mundial. A partir do contexto brasileiro, este ensaio objetiva reunir, sob a perspectiva da terapia ocupacional social, reflexões sobre essa pandemia com foco nas questões socioeconômicas e políticas. Concluímos que os impactos dessa crise possuem a marca da desigualdade, uma vez que expõem a população mais pobre a maiores riscos de contaminação e à intensificação das vulnerabilidades sociais. O Estado brasileiro tem empreendido uma necropolítica, que pouco responde às demandas desses grupos populacionais e imputa à classe trabalhadora uma conta que é estrutural do capitalismo.

 

Abstract

The pandemic caused by CoVid-19 has been expanding and leading to a serious global crisis. From the Brazilian context, this essay aims to gather, from the perspective of social occupational therapy, reflections on this pandemic with a focus on socioeconomic and political issues. We conclude that the impacts of this crisis have the mark of inequality, since it exposes the poorest population to greater risks of contamination and to the intensification of social vulnerabilities. The Brazilian State has undertaken a necropolitics, which produces few responses to the demands of these population groups and charges the working class with a bill that is structural of capitalism.

Keywords: Pandemics, social inequality, occupational therapy.

Resumen

La pandemia causada por CoVid-19 se ha expandido y ha llevado a una grave crisis mundial. Desde el contexto brasileño, este ensayo tiene como objetivo reunir, desde la perspectiva de la terapia ocupacional social, reflexiones sobre esta pandemia con un enfoque en temas socioeconómicos y políticos. Llegamos a la conclusión de que los impactos de esta crisis llevan la marca de la desigualdad, ya que exponen a la población más pobre a mayores riesgos de contaminación y a la intensificación de las vulnerabilidades sociales. El Estado brasileño ha emprendido una necropolítica, que responde poco a las demandas de estos grupos de población y carga a la clase trabajadora con una cuenta que es estructural del capitalismo.

Palabras clave: Pandemia, desigualdad social, terapia ocupacional.

 

 


Palavras-chave


Pandemia; Desigualdade Social; Terapia Ocupacional

Texto completo:

PDF

Referências


Badiou A. Sobre a situação epidêmica. In: Davis M; Harvey D; Bihr A; Zibechi R; Badiou A; Zizek S. Coronavírus e a luta de classes. Brasil: Terra sem amos; 2020. p. 35-42.

Organização Mundial da Saúde. Coronavirus disease (COVID-19) Pandemic; 2020. [acesso 2020 mai. 2]. Disponível em: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Painel coronavírus. Brasília, DF; 2020. [acesso em 2020 mai. 3]. Disponível em: https://covid.saude.gov.br/.

Löwy M. “Gripezinha”: o neofascista Bolsonaro diante da pandemia. In.: Tostes A; Filho HM. Quarentena: reflexões sobre a pandemia e depois. 1ª ed. Bauru: Canal 6; 2020. p. 147-51.

Dowbor L. Além do coronavírus. In: Tostes A; Filho HM. Quarentena: reflexões sobre a pandemia e depois. 1ª ed. Bauru: Canal 6; 2020. p. 113-20.

Harvey D. Política anticapitalista em tempos de Covid-19. In: Davis M; Harvey D; Bihr A; Zibechi R; Badiou A; Zizek S. Coronavírus e a luta de classes. Brasil: Terra Sem Amos; 2020. p. 13-24.

Mészáros I. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo; 2009.

Antunes R. O vilipêndio do coronavírus e o imperativo de reinventar o mundo. In: Tostes A; Filho HM. Quarentena: reflexões sobre a pandemia e depois. 1 ed. Bauru: Canal 6; 2020. p. 181-88.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Brasília, DF; 2019. [acesso em 2020 abr. 28]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101654_informativo.pdf.

Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA. Estimativa da população em situação de rua no Brasil. Brasília, DF; 2016. [acesso em 2020 abr. 27]. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7289/1/td_2246.pdf.

Brasil. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional – DEPEN. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – Atualização junho de 2017 – Infopen. Brasília, DF; 2019. [acesso em 2020 abr. 28]. Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen/relatorios-sinteticos/infopen-jun-2017-rev-12072019-0721.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional – DEPEN. Recomendações para prevenção e cuidado da CoVid-19 no sistema prisional brasileiro. Brasília, DF; 2020. [acesso em 2020 abr. 28]. Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/ManualCOVID19DEPEN1edicao.pdf.

Mbembe A. Necropolítica, una revisión crítica. In: Gregor HCM. Estética y violencia: necropolítica, militarización y vidas lloradas. México: UNAMMUAC; 2012. p.130-139.

Instituto Socioambiental - ISA. Covid-19: indígenas e povos tradicionais exigem logística especial de repasse de renda básica. São Paulo, SP; 2020. [acesso m 2020 abr. 28]. Disponível em: https://www.socioambiental.org/pt-br/noticias-socioambientais/covid-19-indigenas-e-povos-tradicionais-exigem-logistica-especial-para-repasse-de-renda-basica.

Otoni P. Presente e Futuro sete apontamentos. In: Tostes A; Filho HM. Quarentena: reflexões sobre a pandemia e depois. 1ª ed. Bauru: Canal 6; 2020. p.171-180.

Machado BSM; Gonçalves MVF; Arcanjo MFG. Neoliberalismo em tempos de coronavírus ou coronavírus em tempos de neoliberalismo? Espaço e Economia Revista Brasileira de Geografia Econômica. 2020; 9(18):1-8.

Castel R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. 10ªed. Petrópolis: Vozes; 2012.

Pires M. As principais reações à crise. Observatório de Política Fiscal. Instituto Brasileiro de Economia; 2020. [acesso em 2020 abr. 29]. Disponível em: https://observatorio-politica-fiscal.ibre.fgv.br/sites/observatorio-politica-fiscal.ibre.fgv.br/files/u52/as_principais_reacoes_a_crise_0.pdf.

Castelo R. Crise conjuntural e (re)militarização da “questão social” brasileira. Revista Margem à Esquerda. 2014; (23):46-51.

Severo VS. In: Tostes A; Filho HM. Quarentena: reflexões sobre a pandemia e depois. 1ª ed. Bauru: Canal 6; 2020. p.219-225.




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto34402

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB