A formação dos sistemas de tratamento em português: mudança e avaliação

Célia Regina dos Santos Lopes

Resumo


Conferência proferida pela Profa. Dra. Célia Lopes por ocasião de sua promoção para Professor Titular da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Palavras-chave


Variação linguística; Mudança linguística; Sistemas de tratamento.

Texto completo:

PDF

Referências


AALMEIDA, N. L. F. de. Urbanização, escolarização e variação linguística em Feira de Santana-Bahia (século XX). Tabuleiro de Letras, v. 4, 2012. p. 71-85. Disponível em: http://www.tabuleirodeletras.uneb.br/secun/numero_04/pdf/no04_artigo012.pdf.

AMOR DIVINO, L. S. do. Como trato meu receptor? A propósito do uso de tu/você em Santo Antônio de Jesus-BA. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.

ANDRADE, A.; OLIVEIRA, M. F.; CARNEIRO, Z. Formas de tratamento em cartas da Bahia. In: LOPES, C. R. S.; CASTILHO, A. (Orgs). História do português brasileiro: mudança sintática das classes de palavra : perspectiva funcionalista. São Paulo: Editora Contexto, v.1, 2018. p.107-118.

ATAÍDE, C. A.; LIMA, T. J. S. A variação diatópica dos pronomes pessoais Tu e Você em cartas de amor do sertão pernambucano do século XX. LaborHistórico, v. 4, n. 2, 2018. p. 92-103. Disponível em: https://doi.org/10.24206/lh.v4i2.17500.

BALSALOBRE, S. R. G. Brasil, Moçambique e Angola: desvendando relações sociolinguísticas pelo prisma das formas de tratamento. 2015. 345 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/127872.

BORIS, F. A Revolução de 1930: historiografia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

BRIZ, A. Cortesía verbal codificada y cortesía verbal interpretada em la conversación. In: BRAVO, D.; BRIZ, A. Pragmática sociocultural – Estudios sobre el discurso de cortesía em español. Barcelona: Ariel, 2004. p. 67-93.

BROWN, P.; LEVINSON, S. Politeness: some universal in language usage. Cambridge: Cambridge University, 1987.

BROWN, R.; GILMAN, A. The pronouns of power and solidarity. In: SEBEOK, T. A. (Ed.). Style in language. Cambridge: MIT Press, 1960. p. 253 449.

CARREIRA, M. H. A. La designation de l’autre en portugais européen: instabilités linguistiques et variations discursives. Instabilités linguistiques dans les langues romanes. Travaux et Documents, n. 16, 2002. p. 173-184.

CINTRA, L. F. L. Sobre formas de tratamento na língua portuguesa. Lisboa: Livros Horizonte, 1972.

COELHO DA SILVA, F. Variação entre os pronomes tu e você na função de sujeito na fala de Natal (RN): uma abordagem sociofuncionalista. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015. Disponível em: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/20149.

COHEN J. D.; MACWHINNEY B.; FLATT M.; PROVOST J. PsyScope: A new graphic interactive environment for designing psychology experiments. Behavioral Research Methods, Instruments, and Computers, v. 25, n. 2, 1993. p. 257-271.

CONDE SILVESTRE, J. C. Sociolinguística histórica. Madrid: Gredos, 2007.

COSTA, J. P. dos S. et al. O uso do pronome tu na linguagem cotidiana dos estudantes de Jitaúna/Ba. Monografia de conclusão de Curso – Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2007.

COSTA, E. C. C. da; GOMES, V. S.; SILVA, C. R. T. Variação e Tradição: uma análise do Tu e Você na posição de sujeito em cartas de pernambucanos (1860-1989). LaborHistórico, v. 4, n. 1, 2018. p. 55-71. Disponível em: https://doi.org/10.24206/lh.v4i1.17490.

CUNHA, M. A. F. da; SILVA, J. R. A mudança linguística sob a ótica da Linguística Funcional. LaborHistórico, v. 5, n. 1, 2019. p. 15-35. Disponível em: https://doi.org/10.24206/lh.v5i1.15272.

DERWING, B. L.; DE ALMEIDA, R. G. Métodos experimentais em Linguística. In: MAIA, M.; FINGER, I. (Eds.). Processamento da Linguagem. Pelotas: Educat, 2005. p. 401-442.

DUARTE, I. M. Formas de tratamento: item gramatical no ensino de Português Língua Materna. In: BRITO, A. M. (Ed.). Gramática: História, Teoria, Aplicações. Porto: Fundação da Universidade do Porto, 2010. p. 133-147.

DUARTE, M. E. L. A perda do princípio ‘Evite pronome’ no português brasileiro. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos Linguísticos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

DUARTE, M. E. L. Do pronome nulo ao pronome pleno: a trajetória do sujeito no português do Brasil‖. In: ROBERTS, I.; KATO, M. A. (Orgs.). Português Brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas, UNICAMP, 1993.

FARACO, C. A. O tratamento você em português: uma abordagem histórica. Fragmenta, v. 13, 1996. p. 51-82.

FARACO, C. A. O tratamento você em português: uma abordagem histórica. LaborHistórico, v. 3, n. 2, 2018 [1996]. p. 114-132. Disponível em: https://doi.org/10.24206/lh.v3i2.17150.

FARIA, R. F. N. O Fenómeno da Delicadeza Linguística em Português e em Inglês. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Ciências Sociais Humanas, Universidade Católica Portuguesa, Porto, 2009.

GOFFMAN, E. A elaboração da face. Uma análise dos elementos rituais da interação social. Psicanálise e Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980. p. 76-114.

GOMES, V. S.; LOPES, C. R. S. Formas tratamentais em cartas escritas em Pernambuco (1869-1969): tradição discursiva e sociopragmática. Revista de Estudos da Linguagem, v. 24, 2016. p. 137-165.

GUILHERME, A. R. B.; BERMEJO, V. L. Quão cortês é você? O pronome de tratamento você em Português Europeu. LaborHistórico, v. 1, n. 2, 2015. p. 167-180. Disponível em: https://doi.org/10.24206/lh.v1i2.4801.

HOPPER, P. J. On somes principles of grammaticalization. In: TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. (Eds.). Approaches to grammaticalization. Volume I, Amsterdam; Philadelphia: John Benjamins Company, 1991. p. 17-35.

KENEDY, E. Psicolinguística na descrição gramatical. In: MAIA, M. (Org.). Psicolinguística, psicolinguísticas. Rio de Janeiro: Contexto, 2015. p.143-156.

KOCH, P. Tradiciones discursivas y cam- bio lingüístico: el ejemplo del tratamiento vues- tra merced en español. In: KABATEK, J. (Ed.). Sintaxis histórica del español y cambio lingüístico: Nuevas perspectivas desde las Tradiciones Discursivas. Madrid; Frankfurt: Iberoamericana; Vervuert, 2008. p. 53-88.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change: Internal Factors. Cambridge: Blackwell Publishers, v. 1, 1994.

LOPES, C. R. dos S.; CAVALCANTE, S. A cronologia do vozeamento no português brasileiro: expansão de você – sujeito e retenção do clítico – te. Revista Lingüistica, Madrid, v. 25, 2011. p. 30-65.

LOPES, C. R. dos S.; SOUZA, J. P. F. Os caminhos trilhados por você... em cartas cariocas (século XIX-XX). In: LOBO, T.; CARNEIRO, Z.; SOLEDADE, J.; ALMEIDA, A.; RIBEIRO, S. ROSAE: linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EUFBA, v. 1, 2012. p. 171-190. Disponível em: http://books.scielo.org/id/67y3k/pdf/lobo-9788523212308-14.pdf.

LOPES, C. R. dos S.; MARCOTULIO, L. L.; BRITO, M. C. R. de; OLIVEIRA, T. L.; SOUZA, J. P. F.; COELHO, I. L.; GOMES, V. S.; CARNEIRO, Z.; ANDRADE, A. L.; MARTINS, M. A.; OLIVEIRA, M. F.; MONTE, V. M.; SOUZA, C. M. N.; BALSALOBRE, S. R. G.; MOURA, K. K.; CRUZ, I. A.; CARDOSO, N. D. A No Sistema Pronominal De 2a. Pessoa Na História Do Português Brasileiro: Posição De Sujeito In: LOPES, C. R. dos S. (Org.). CASTILHO, A. T. de. (Cord.). História do português brasileiro: mudança sintática das classes de palavra: perspectiva funcionalista. São Paulo: Editora Contexto, v. 4, 2018. p. 7-105.

LOPES, C. R. dos S.; MARCOTULIO, L. L.; OLIVEIRA, T. L. de. A atuação dos papeis sociais na mudança no sistema de tratamento no português brasileiro: análise de cartas pessoais (1870-1979). Estudos de Linguistica Galega, 2018. p. 29-44. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15304/elg.ve1.3543.

LOPES, C. R. dos S.; SOUZA, Janaina Pedreira. Formas de tratamento em cartas do Rio de Janeiro. In: LOPES, C.R.S.; CASTILHO, Ataliba. História do português brasileiro: mudança sintática das classes de palavra : perspectiva funcionalista. São Paulo: Editora Contexto, 2018, v.1. p. 46-66.

LOPES, C. R. dos S.; MACHADO, A. C. M. Tradição e inovação: indícios do sincretismo entre a segunda e a terceira pessoas nas cartas dos avós. In.: LOPES, C. R. S. (Org.) A Norma Brasileira em Construção. Fatos linguísticos em cartas pessoais do século 19. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras, UFRJ, FAPERJ, 2005. p. 45-66.

LOPES, C. R. dos S.; MOTA, M. A. A Percepção e a Aceitabilidade de Formas de Tratamento no Português Europeu (PE): uma Abordagem Experimental. Working Papers em Linguística. No prelo.

LUCCHESI, D. História do contato entre línguas no Brasil. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (Orgs.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 41-73.

MACHADO, A. C. M. As formas de tratamento nos teatros brasileiro e português dos séculos XIX e XX. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

MARCOTULIO, L. L. Sobre la génesis de Vossa Mercê en el portugués medieval. Lingüística, Montevideo, v. 31, n. 1, 2015. p. 61-79. Disponível em: http://www.scielo.edu.uy/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2079-312X2015000100005&lng=en&nrm=iso .

MOTA, M. A. A variação dos pronomes ‘tu’ e ‘você’ no português oral de São João da Ponte (MG). 125 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/AIRR-7DHJPA.

MOURA, K.; MARTINS, M. A. Formas de tratamento em cartas do Rio Grande do Norte. In: LOPES, C. R. dos S. (Org.). CASTILHO, A. T. de. (Cord.). História do português brasileiro: mudança sintática das classes de palavra: perspectiva funcionalista. São Paulo: Editora Contexto, v. 1, 2018. p. 129-137.

NASCIMENTO, M. F. B. do, MENDES, A.; DUARTE, M. E. Sobre formas de tratamento no Português Europeu e Brasileiro. Revista Diadorim, v. 20, n. Especial, 2018. p. 245-262. Disponível em: https://doi.org/10.35520/diadorim.2018.v20n0a23276.

OLIVEIRA, T. L.; LOPES, C. R. dos S.; CARVALHO, B. B. A expressão da 2ª pessoa do singular em cenas legendadas: variação e percepção numa abordagem experimental. Revista Todas as Letras, v. 18, n. 2, 2016. p. 117-132. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/tl/article/viewFile/9173/6194.

OUSHIRO, L. Identidade na pluralidade: avaliação, produção e percepção linguística na cidade de São Paulo. 395 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

PAREDES SILVA, V. L. A variação você/tu na fala carioca. Comunicação apresentada no 1º Encontro de Variação Linguística do Cone Sul. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Setembro de 1996.

PERES, E. P. O uso do você, ocê, cê em Belo Horizonte – um estudo em tempo aparente e em tempo real. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/LHAM-6N6HVT.

RUMEU, M. C. de B. A implementação do ‘você’ no português brasileiro oitocentista e novecentista: um estudo de painel. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

RUMEU, M. C. de B. Língua e sociedade: a história do pronome 'Você' no português brasileiro. Rio de Janeiro: Ítaca (FAPERJ), 2013.

RUMEU, M. C. de B.; CRUZ, I.; CARDOSO, N. Formas de tratamento em cartas de Minas Gerais. In: LOPES, C. R. dos S. (Org.). CASTILHO, A. T. de. (Cord.). História do português brasileiro: mudança sintática das classes de palavra: perspectiva funcionalista. São Paulo: Editora Contexto, v. 1, 2018. p. 67-77.

SANTANA, W. E. O governo de Acácio no exílio de Heitor – As correspondências de Washington Luís e seus correligionários acerca do governo Vargas e dos Direitos Políticos e civis (1930-1947). Dissertação (Mestrado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/D.8.2009.tde-19022010-170350.

SANTOS, Viviane Maia. “Tu vai para onde?... Você vai para onde”: manifestações da segunda pessoa na fala carioca. 137 f. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

SCHERRE, M.; et al.: Variação dos pronomes tu e você. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (Orgs.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p. 133-172.

SCHÜTZE, C. T.; SPROUSE, J. Judgement data. In: PODESVA, R. J.; SHARMA, D. (Eds.). Research methods in linguistics. New York: Cambridge University Press, 2013. p. 27-50.

SETTE, Neide Durães. Formas de tratamento no português coloquial. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1980.

SOTO, U. Cartas através do tempo: o lugar do outro na correspondência brasileira. Niterói: Editora da UFF, 2007.

SOUZA, C. D.; LOPES, C. R. dos S. Estudo histórico do complemento acusativo de 2ª pessoa do singular. Fórum Linguístico, v. 12, n. 4, 2015. p. 900-914. Disponível em: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2015v12n4p900.

SOUZA, J. P. F. de. “Mapeando a entrada do você no quadro pronominal: análise de cartas familiares dos séculos XIX-XX”. 148 f. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://www.laborhistorico.letras.ufrj.br/Mestrado/SouzaJPF.pdf.

WEINREICH, U., LABOV, W.; HERZOG, M. I. Empirical foundations for a theory of language change. In: LEHAMANN, W. P.; MALKIEL, Y. (Eds.). Directions for historical linguistics. Austin: University of Texas Press, 1968.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5iEspecial.28661

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.