A origem da acepção negativa de você no português europeu: os contextos de uso de Vossa Mercê em cartas oitocentistas

Célia Regina dos Santos Lopes, Ana Luiza Neves Martins, Janaina Pedreira Fernandes de Souza

Resumo


O objetivo geral do trabalho é repensar a origem da acepção negativa dada à forma você no português europeu. Para tanto, apresentamos uma análise das formas tratamentais empregadas em cartas portuguesas do século XIX, a fim de descrever o comportamento de Vossa Mercê do qual você se originou. Levamos em conta os princípios da sociolinguística histórica (CONDE SILVESTRE, 2007; HERNÀNDEX-CAMPOY; CONDE SILVESTRE, 2012) alinhados aos conceitos da Teoria do Poder e da Solidariedade (BROWN; GILMAN, 1960). O corpus de análise é formado por cartas portuguesas oitocentistas do projeto Post-Scriptum http://ps.clul.ul.pt/pt/index.php. Os resultados evidenciam uma enorme variedade de tratamentos distintos nas cartas. A análise levou em consideração os papéis sociais dos destinatários previstos em um secretário da época (FREIRE, 1823). Segundo o manual, se o indivíduo pertencesse a classes mais elevadas, receberia tratamentos de base nominal, o que foi encontrado em nosso corpus. Já para classes inferiores, os manuais indicariam o uso de Vossa Mercê, forma que apresentou um comportamento bastante peculiar e híbrido, pois aparece, ao mesmo tempo, em referência a indivíduos destituídos de status social no Portugal oitocentista e em relações assimétricas ascendentes no âmbito familiar. O pronome tu, no corpus analisado, predominou em relações mais solidárias e nas relações familiares assimétricas descendentes, como ainda continua ocorrendo no PE.

Palavras-chave


Formas de tratamento. Português europeu. Origem de você.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Trad. por M. E. Galvão Gomes. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARBOSA, Pilar; DUARTE, Maria Eugenia Lamoglia; KATO, Mary. Null subjects in European and Brazilian Portuguese. Journal of Portuguese Linguistics, v. 4, nº 2, p. 11-52, 2005.

BROWN, Roger; GILMAN, Albert. The pronouns of power and solidarity. In: SEBEOK, Thomas A. (ed.) Style in language, 1960, p. 253-76.

CENTRO DE LINGUÍSTICA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA - CLUL (Ed.). P.S. Post Scriptum. Arquivo Digital de Escrita Quotidiana em Portugal e Espanha na Época Moderna. Disponível em: http://ps.clul.ul.pt. Acesso em: 05 ago 2018.

CINTRA, Luís Filipe Lindley. Sobre" formas de tratamento" na língua portuguesa: (ensaios). Lisboa: Livros horizonte, 1982 [1972].

CONDE SILVESTRE, Juan Camilo. Sociolinguística histórica. Madrid: Gredos, 2007.

DUARTE, Isabel Margarida. Formas de tratamento em português: Entre léxico e discurso. Revista Matraga, v.18, nº 28, p. 84-104, jan./jun., 2011.

FARACO, Carlos Alberto. O tratamento você em português: uma abordagem histórica. LaborHistórico, v.3, nº 2, p.114-132, jul | dez, 2017. Republicado de: FARACO, Carlos Alberto. O tratamento de você em português: uma abordagem histórica. Revista Fragmenta, v. 13, p. 51-82, 1996.

FARIA, Rita Nogueira Freire. O Fenómeno da Delicadeza Linguística em Português e em Inglês. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Ciências Sociais Humanas, Universidade Católica do Porto, 2009.

FREIRE, Francisco José. O Secretario Portuguez. Lisboa: Impressão de João Nunes Esteves, 1823.

GOUVEIA, Carlos A.M. As dimensões da mudança no uso das formas de tratamento em português europeu. In OLIVEIRA, F. e I. M. Duarte (orgs.): O Fascínio da Linguagem: Actas do Colóquio de Homenagem a Fernanda Irene Fonseca. Porto: CLUP/FLUP, 2008, p. 91-99. Disponível em: https://www.academia.edu/22480102/9_2008_As_Dimens%C3%B5es_da_Mudan%C3%A7a_no_Uso_das_Formas_de_Tratamento_em_Portugu%C3%AAs_Europeu_In_OLIVEIRA_F_e_I_M_Duarte_orgs_O_Fasc%C3%ADnio_da_Linguagem_Actas_do_Col%C3%B3quio_de_Homenagem_a_Fernanda_Irene_Fonseca_Porto_CLUP_FLUP_91_99 . Acesso em: 01 mai 2020.

GUILHERME, Ana; BERMEJO, Víctor. Quão cortês é você? O pronome de tratamento você em Português Europeu. LaborHistórico, v. 1, nº 2, p.167-180, jul. | dez. 2015.

HERNÁNDEZ-CAMPOY, Juan M.; SCHILLING, Natalie. The application of the quantitative paradigma to historical sociolinguistics: problems with the generalizability principle. In: HERNÁNDEZ-CAMPOY, Juan; CONDE-SILVESTRE, Juan Camilo. The Handbook of Historical Sociolinguistics. Oxford: Wiley-Blackwell Publishing, 2012. p. 63-79.

KOCH, Peter. Tradiciones discursivas y cambio linguístico: el ejemplo del tratamiento vuestra merced en español. In: KABATEK, Johannes. (Ed.). Sintaxis histórica del español y cambio linguístico: nuevas perspectivas desde las Tradiciones Discursivas. Madrid: Iberoamericana; Frankfurt:Vervuert, 2008. p.53-88. (Lingüística Iberoamericana, 31).

LEŠKOVÁ, Jana. As formas de tratamento em Português Europeu. Olomouc. Diplomová práce (Mgr.). UNIVERZITA PALACKÉHO V OLOMOUCI. Filozofická fakulta, 2012.

LOPES, CÉLIA REGINA DOS SANTOS. A formação dos sistemas de tratamento em português: mudança e avaliação. LABORHISTÓRICO, v. 5, p. 257-294, 2019.

LOPES, Célia Regina dos Santos. Retratos da mudança no sistema pronominal: o tratamento carioca nas primeiras décadas do século XX. In: CORTINA, Arnaldo; NASSER, Sílvia Maria Gomes da Conceição (Orgs.). Sujeito e Linguagem: Séries Trilhas Linguísticas. Araraquara: Cultura Acadêmica, 2009, v.17, p. 47-74.

MARCOTULIO, Leonardo Lennertz. Vossa Mercê bem sabe de onde viestes: um caso de gramaticalização na história do português. 2012. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

MARCOTULIO, Leonardo Lennertz. Sobre la génesis de 'Vossa Mercê' en el portugués medieval. Linguistica (Madrid), v. 31-1, p. 61-79, 2015.

NASCIMENTO, Maria Fernanda Bacelar do; MENDES, Amália; DUARTE, Maria Eugênia Lammoglia. Sobre formas de tratamento no português europeu e brasileiro. Revista Diadorim, v. 20 – Especial, p.245-262, 2018.

PRATAS, Sara Alexandra Pinto. As formas de tratamento e o ensino de português como língua não materna. Dissertação (Letras (Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda)). Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra, 2017.

RUMEU, Márcia Cristina de Brito. Para uma História do Português no Brasil: formas pronominais e nominais de tratamento em cartas setecentistas e oitocentistas. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

SANKOFF, David; TAGLIAMONTE, Sali A.; SMITH, Eric. Goldvarb X: A variable rule application for Macintosh and Windows. Department of Linguistics, University of Toronto, 2005.

SCHWARTZ, Stuart B. Uma sociedade escravista colonial. In: SCHWARTZ, Stuart B Segredos internos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, p.209-223

SIMÕES, José da Silva. Sintaticização, discursivização e semanticização das orações de gerúndio no português brasileiro. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

VAAMONDE, Gael. P.S. Post Scriptum: Dos corpus diacrónicos de escritura cotidiana. Procesamiento del Lenguaje Natural, v. 55, set., p. 57-64, 2015.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Trad. de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2006 [1968].




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v7iespec.42825

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Célia Regina dos Santos Lopes; Ana Luiza Neves Martins; Janaina Pedreira Fernandes de Souza

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.