Repensar a escrita pela arte e pela poesia: Mallarmé, Fenollosa e Mira Schendel

Ana de Gusmão Mannarino

Resumo


Trabalhos de artistas que recorrem à palavra escrita em suas obras, assim como poemas que privilegiam a espacialização da palavra e a imagem são um convite à reflexão sobre a escrita e a linguagem verbal na tradição ocidental. Neste estudo, partiremos de considerações sobre a escrita feitas por Anne Marie Christin e Jacques Derrida, e das contribuições de Haroldo de Campos, Vilém Flusser e Gianni Vattimo, para pensar o trabalho de Mira Schendel. Faremos  aproximações de sua obra com a poesia de Mallarmé e o ensaio de Fenollosa sobre a escrita chinesa, procurando ultrapassar o ambiente estrito das artes visuais, e explorá-la sob um viés reflexivo a respeito do alcance e limites da linguagem.


Palavras-chave


Artes visuais e palavra. Visualidade e poesia. Mira Schendel. Fenollosa. Mallarmé.

Texto completo:

PDF

Referências


BARSON, Tanya; PALHARES, Taisa (orgs.). Mira Schendel (catálogo). Londres: Tate Publishing, 2013.

BUTOR, Michel. Les mots dans la peinture. Paris: Skira, 1969.

CAMPOS, Haroldo de (org.). Ideograma: lógica, poesia, linguagem. São Paulo: Cultrix, 1977.

CAMPOS, Haroldo de. Ideograma, anagrama, diagrama: uma leitura de Fenollosa. In: CAMPOS, Haroldo de (org.). Ideograma: lógica, poesia, linguagem. São Paulo: Cultrix, 1977.

CHRISTIN, Anne-Marie. L’image écrite ou la déraison graphique. Paris: Flammarion, 2009.

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. São Paulo: Perspectiva, 2011a (1967).

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2011b (1967).

DIAS (Filho), Geraldo de Souza. Mira Schendel: do espiritual à corporeidade. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

FENOLLOSA, Ernest; POUND, Ezra. The chinese written character as a medium for poetry. Nova York: Fordham University Press, 2008.

FENOLLOSA, Ernest; POUND, Ezra. Os caracteres da escrita chinesa como instrumento para a poesia (1918). In: CAMPOS, Haroldo de (org.). Ideograma: lógica, poesia, linguagem. São Paulo: Cultrix, 1977.

FLUSSER, Vilém. Bodenlos. São Paulo: Annablume, 2007.

FLUSSER, Vilém. Indagações sobre as origens da língua (1967). In: SALZSTEIN, Sônia. No vazio do mundo. São Paulo: Ed. Marca D’Água, 1996.

FLUSSER, Vilém. Mira Schendel. In: Bodenlos. São Paulo: Annablume, 2007.

FLUSSER, Vilém. Pós-história. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1983.

LESSING, G. E. Laocoonte: ou sobre as fronteiras da pintura da poesia (1766). São Paulo: Iluminuras, 2011.

MITCHELL, W. J. T. Iconology: image, text, ideology. Chicago e Londres: University of Chicago Press, 1987.

PLATÃO. Fedro.Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Ed.Ufpa, 2011.

POUND, Ezra. ABC da literatura. São Paulo: Cultrix, 1990.

POUND, Ezra. Prefácio à primeira edição de “Os caracteres da escrita chinesa como instrumento para a poesia”, de Ernest Fenollosa (1918). In: CAMPOS, Haroldo de (org.). Ideograma: lógica, poesia, linguagem. São Paulo: Cultrix, 1977.

RANCIÈRE, Jacques. L’espace des mots: de Mallarmé à Broodthaers. Nantes: Musée de Beaux-Arts de Nantes, 2005.

SALZSTEIN, Sônia (org.). No vazio do mundo. São Paulo: Ed. Marca D’Água, 1996.

SAUSSY, Haun. Fenollosa compounded: a discrimination. In: FENOLLOSA, Ernest e POUND, Ezra. The chinese written character as a medium for poetry. Nova York: Fordham University Press, 2008.

SCHAPIRO, Meyer. Words, scripts and pictures: semiotics of visual language. Nova York: Georg Braziller, 1996.

SCHENDEL, Mira. Fragmento de texto datilografado pela artista, sem data. In: SALZSTEIN, Sônia. No vazio do mundo. São Paulo: Ed. Marca D’Água, 1996.

VATTIMO, Gianni. O fim da modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 2002.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v6i2.33398

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ana de Gusmão Mannarino

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.