A categoria socioprofissional: uma proposta de abordagem para o estudo das formas de tratamento

Vanessa Martins do Monte

Resumo


O presente artigo propõe a inserção de uma nova categoria para analisar o uso das formas de tratamento (doravante FT's) em língua portuguesa, especificamente no português brasileiro setecentista e oitocentista. Uma das principais categorias utilizadas em pesquisas que buscam descrever e analisar a história e o uso das FT's são aquelas ligadas à simetria e à assimetria das relações epistolares, que procuram estabelecer as FT's preferenciais de acordo com o tipo de relação. A partir de um corpus constituído por cartas oficiais lavradas na capitania de São Paulo entre 1765 e 1775, procedeu-se à classificação das relações epistolares em simétricas e assimétricas, apoiada em rigoroso estudo do contexto sócio-histórico da época. Verificou-se, no entanto, que, independentemente da simetria ou assimetria da relação, a FT preferencial era vossa mercê. A fim de comprovar se se tratava de uma particularidade da amostra, ampliou-se o corpus de pesquisa, acrescentando-se documentação de natureza semelhante com datação tópica variada, a saber: capitanias do Rio de Janeiro, de Santa Catarina e da Bahia, além de cartas da região da Baixada Santista. Novamente, constatou-se o largo uso da abreviatura correspondente à FT vossa mercê tanto nas relações simétricas quanto assimétricas. Propõe-se, então, o uso da categoria socioprofissional do remetente e do destinatário — de acordo com abordagem teórica desenvolvida por Marquilhas (2000) — associada à classificação da relação epistolar nos eixos simétrico e assimétrico. A categoria socioprofissional é fator relevante para a escolha de FT Ìs, conforme demonstrado por Monte (2013). O tratamento entre a categoria socioprofissional dos militares, por exemplo, dá-se quase exclusivamente por vossa mercê, independentemente da simetria/assimetria da interlocução, enquanto eclesiásticos marcavam linguisticamente as posições hierárquicas superiores por meio do uso de FT's de alto valor honorífico, como vossa senhoria e vossa reverendíssima. 


Palavras-chave


formas de tratamento; filologia; cartas; vossa mercê; século XVIII.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Amadeu do. O dialeto caipira. São Paulo: Hucitec, 1955. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=7381. Acesso em: 28 jun. 2015.

BARBOSA, Afranio Gonçalves. Para uma História do Português Colonial: Aspectos Lingüísticos em Cartas de Comércio. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

BASTO, Claudio. Formas de tratamento, em português. Revista Lusitana, n. 29, p. 183-202, 1931.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Autoridade e conflito no Brasil colonial: o governo do Morgado de Mateus em São Paulo (1765-1775). 2. ed. São Paulo: Alameda, 2007.

BROWN, R.; GILMAN, A. The pronouns of power and solidarity. In: SEBEOK, T. A. (Ed.). Style in language. Cambridge: MIT Press, 1960. p. 253-449. Disponível em: http://www.researchschool.org/intranets/Brown%20and%20Gilman%201960.pdf. Acesso em: 29 jun. 2015.

COELHO, Izete Lehmkuhl; GÖRSKI, Edair Maria. A variação no uso dos pronomes tu e você em Santa Catarina. In: LOPES, Célia Regina dos Santos; COUTO, Leticia Rebollo. (Orgs.) As formas de tratamento em português e em espanhol: variação, mudança e funções conversacionais. Niterói: Editora da UFF, 2011. p. 263-287.

CINTRA, Luís Felipe Lindley. Sobre “formas de tratamento” na língua portuguesa. Lisboa: Livros Horizonte, 1972.

LEI SOBRE OS ESTILOS DE FALAR E ESCREVER. S.l.: s.n., depois de 16 de Setembro de 1597. [2] f. Cota do exemplar digitalizado: res-2312-v. Disponível em: http://purl.pt/15187. Acesso em: 30 jun. 2015.

LEME, Luiz Gonzaga da Silva Leme. Genealogia Paulistana. São Paulo: Duprat & Companhia, 1903-1905. 9 v. Disponível em: http://archive.org/details/GenealogiaPaulistana. Acesso em: 28 jun. 2015.

LEONZO, Nanci. As companhias de ordenanças na capitania de São Paulo: das origens ao governo do Morgado de Matheus. Dissertação (Mestrado em História). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1975.

LOBO, Tânia Conceição Freire (Org.). Cartas baianas setecentistas. 1. ed. São Paulo: Humanitas / FAPESP, 2001. (Série Diachronica, 3).

LOPES, Célia Regina dos Santos. Tradição Textual e mudança linguística: aplicação metodológica em cartas de sincronias passadas. In: MARTINS, Marco Antonio; TAVARES, Maria Alice. (Orgs.). História do Português Brasileiro no Rio Grande do Norte: análise linguística e textual da correspondência de Luís Câmara Cascudo a Mário de Andrade - 1924 a 1944. 1 ed. Natal: EDUFRN, 2012, v.1. p. 17-54. Disponível em: http://www.letras.ufrj.br/laborhistorico/producao/UFRN.pdf. Acesso em: 25 mar. 2015.

_____.; MARCOTULIO, Leonardo Lennertz; RUMEU, Márcia Cristina de Brito. (Orgs.) A reorganização no sistema pronominal de 2ª pessoa na história do português brasileiro: posição de sujeito. In: História do Português Brasileiro, Vol. III, Tomo 2, Mudança sintática sob a perspectiva funcionalista. (No prelo).

LUZ, Marilina dos Santos. Fórmulas de tratamento no português arcaico – subsídios para o seu estudo. Revista Portuguesa de Filologia, v. 7, 8 e 9. Ed. Casa do Castelo. Separata, 1958.

MARCOTULIO, Leonardo Lennertz. A preservação das faces e a construção da imagem no discurso político do marquês do Lavradio: as formas de tratamento como estratégias de atenuação da polidez linguística. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: http://www.letras.ufrj.br/posverna/mestrado/MarcotulioLL.pdf. Acesso em: 28 jun. 2015.

MARQUILHAS, Rita. A Faculdade das Letras: leitura e escrita em Portugal no séc. XVII. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2000.

MEGALE, Heitor; CAMBRAIA, César Nardelli; CUNHA, Antonio Geraldo. A Carta de Pero Vaz de Caminha. 2. ed. São Paulo: Humanitas, 2001. (Série Diachronica, 1).

_____.; TOLEDO NETO, Sílvio de Almeida (Orgs.). Por minha letra e sinal: documentos do ouro do século XVII. Cotia: Ateliê Editorial, 2005. (Série Diachronica, 4).

MONTE, Vanessa Martins do. Correspondências paulistas: as formas de tratamento em cartas de circulação pública (1765-1775). São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-18062013-103230/pt-br.php. Acesso em: 28 jun. 2015.

MOTA, Ana Claudia de Ataide Almeida. Documentos avulsos do Convento da Lapa (Salvador, Bahia, séculos XVIII e XIX): Edição e estudo. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-19102011-125754/. Acesso em: 28 jun. 2015.

RAMOS, Jânia. Tratamento na díade pai e filho: uso de você e senhor. In: LOPES, Célia Regina dos Santos; COUTO, Leticia Rebollo. (Orgs.) As formas de tratamento em português e em espanhol: variação, mudança e funções conversacionais. Niterói: Editora da UFF, 2011. p. 289-301.

RUMEU, Márcia Cristina de Brito. Língua e sociedade: a história do pronome “Você” no português brasileiro. Rio de Janeiro: Ítaca, 2013.

_____. Para uma História do Português no Brasil: formas pronominais e nominais de tratamento em cartas setecentistas e oitocentistas. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2004.

SAMARA, Eni de Mesquita. Paleografia e fontes do período colonial brasileiro. São Paulo: Humanitas, 2005. Estudos Cedhal (Centro de Estudos de Demografia Histórica da América Latina). n. 11.

SCHREINER, Cátia. Edição semidiplomática de documentos manuscritos catarinenses do século XVIII: livro de 'ofícios do vice-rei para o governador da capitania' (1793-1798). Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-03102007-142123/. Acesso em: 28 jun. 2015.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

SILVEIRA, Cláudia Damião Lopes de Almeida. Edição de textos relativos à defesa, segurança e fiscalização portuária da Baixada Santista no período final do século XVIII e início do século XIX. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v1i1.4788

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.