Saibham quantos este estormento de contrato virem: análise das terminações nasais em contratos dos séculos XV e XVI

Vanessa Martins do Monte, Phablo Roberto Marchis Fachin

Resumo


O objetivo deste artigo é o estudo de contratos portugueses produzidos ao longo dos séculos XV e XVI. Este trabalho é de natureza filológica e situa-se no âmbito do projeto Fontes para a História da Língua Portuguesa: edição de manuscritos dos períodos médio e clássico. Procura-se observar o enquadramento linguístico do corpus, levando-se em conta a tipologia, a região e o contexto em que foi produzido, relacionando-o aos fenômenos que marcaram o período de sua produção, especificamente quanto à convergência em --ão das terminações nasais. Os contratos que compõem o corpus integram o fundo da Colegiada de Santa Maria de Guimarães, Noroeste de Portugal, constantes do Arquivo Nacional da Torre do Tombo. A análise de documentos dos séculos XV e XVI contribui para os estudos sobre a história do português europeu e brasileiro, uma vez que o estudo de fontes manuscritas amplia o conhecimento de documentação do período e supre a inexistência, ou a extrema raridade, de escritos produzidos em terras da América Portuguesa à época. Os contratos analisados espelham uma realidade linguística muito particular e, apesar de produzidos no período do português médio, revelam características que os aproximam de um estado de língua mais antigo. Tal conclusão sugere uma tendência conservadora em documentos notariais do Noroeste, que poderia, conforme o avanço das pesquisas com constituição de corpora de diferentes tipologias, fazer alargar-se ainda mais o período do português médio, cujo fim tradicionalmente coincide com a data da publicação da primeira gramática da língua portuguesa, em 1536, por Fernão de Oliveira.


Palavras-chave


filologia portuguesa; cultura escrita; documentos notariais; português médio; terminações nasais.

Texto completo:

PDF

Referências


Fontes manuscritas

Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Fundo Colegiada de Santa Maria da Oliveira de Guimarães. Disponível em: http://digitarq.arquivos.pt/details?id=1380776. Acesso em: 06 jun. 2016.

Referências bibliográficas

ALMEIDA, Maria Luísa. As terminações nasais do português no começo do último quartel do século XIII. Coimbra: Máthesis, nº 8, 1999.

BECHARA, Evanildo. As fases da língua portuguesa escrita. In: Actes XVIII Congrès Int. de Linguistique et Philologie Romanes, III, Tübingen, 1991. p. 69-75.

BELLOTTO, Heloisa Liberalli. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado e Imprensa Oficial do Estado, 2002.

CARDEIRA, Esperança. Do Português Médio ao Clássico: o Cancioneiro Geral de Garcia de Resende. In: HERRERO, Emili Casanova; RIGUAL, Cesareo Calvo (Eds.). Actas del XXVI Congreso Internacional de Linguística y de Filologia Románicas, Valencia. Vol. I. De Gruyter, 2013. p. 543-554.

_______. Entre o Português Antigo e o Português Clássico. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2005.

_______. Revisitando a periodização do português: o português médio. Domínios de Linguagem, ano 3, nº 2, p. 103-115, 2009.

CASTRO, Ivo. O português médio segundo Cintra (nuga bibliográfica). In: FARIA, Isabel Hub (Org.). Lindley Cintra: Homenagem ao Homem, ao Mestre e ao Cidadão. Lisboa: Cosmos & Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1999. p. 367-370.

_______. Introdução à História do Português. Lisboa: Ed. Colibri, 2006.

DELPo – Dicionário Etimológico de Língua Portuguesa. Disponível em: http://www.nehilp.org/~nehilp/. Acesso em: 06 jun. 2016.

DOMINGUES, José. As Ordenações Afonsinas: Três Séculos de Direito Medieval (1211-1512). Santiago de Compostela: Zéfiro, 2008.

EMILIANO, António. O estudo dos documentos notariais latino-portugueses e a história da língua portuguesa. Signo - Revista de Historia de la Cultura Escrita (Universidade de Alcalá de Henares), 11, p. 77-126, 2003. Disponível em: http://www2.fcsh.unl.pt/docentes/aemiliano/CV/ficheiros/pub-15.pdf. Acesso em: 12 abr. 2016.

_______. Considerações sobre o estudo da documentação notarial anterior ao séc. XIII. In: Actas do IX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Coimbra. Lisboa: Associação Portuguesa de Linguística, 1993. p. 195-210.

FACHIN, Phablo Roberto Marchis; MONTE, Vanessa Martins do. E prometeram per boa fe de o assy comprir e manteer - estudo filológico de um contrato quinhentista. In: TOLEDO NETO, Sílvio de Almeida; SIMÕES, J. S. (Org.). História do Português Paulista. Série Estudos, Vol. V, 1. ed. São Paulo: ed. a definir, 2016. (No prelo).

GOMES, Saul António. O Notariado Medieval Português: Algumas notas de investigação. Hvmanitas, vol. 52, p. 241-286, 2000.

LORENZO, Ramón. Consideracións sobre as vocais nasais e o ditongo -ão en portugués. In: Homenagem a Joseph M. Piel por ocasião do seu 85° aniversário, Consello de Cultura Galega, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1988. p. 289-326.

MARTINS, Ana Maria. Clíticos na história do português. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 1994.

_______. Documentos Portugueses do Noroeste e da Região de Lisboa: Da Produção Primitiva ao Século XVI. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2001.

MAIA, Clarinda de Azevedo. História do Galego Português: Estudo linguístico da Galiza e do Noroeste de Portugal desde o século XIII ao século XVI (com referência à situação do galego moderno). Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1986.

_______. História da Língua Portuguesa. Guia de Estudo, Coimbra: 1995.

ORDENAÇÕES do Senhor Rey D. Affonso V, Coimbra, Real Imprensa da Universidade, 1792. (Fac-símile com o título Ordenações Afonsinas, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1984). (5 vols.). Disponível em: http://www.ci.uc.pt/ihti/proj/afonsinas/. Acesso em: 15/04/2016.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v2i1.4808

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.