A percepção do cuidador sobre o brincar da criança com paralisia cerebral no contexto da terapia ocupacional

Patricia Carla de Souza Della Barba, Ana Flavia Rodrigues Silva, Maria Madalena Moraes Santa'anna

Resumo


O objetivo do presente estudo consiste em identificar a importância do brincar de uma criança com paralisia cerebral para seu desenvolvimento, sob o ponto de vista do cuidador, tanto no cotidiano familiar quanto no contexto da Terapia Ocupacional.  Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva, exploratória e transversal. Participou da pesquisa o pai de uma criança com paralisia cerebral de 2 anos de idade. Depois de realizados os procedimentos éticos, o pai respondeu a dois instrumentos. Foi utilizada a Entrevista Inicial com os Pais (EIP), instrumento do Modelo Lúdico, proposto por Francine Ferland, e também uma entrevista elaborada para o presente trabalho, com foco no brincar da criança em seu contexto. Os resultados apontaram que o brincar é visto pelo pai como um meio de alcançar objetivos na terapia, como a aquisição de habilidades que contribuem para o desenvolvimento da criança com paralisia cerebral.  Concluiu-se que a atividade de brincar como um fim nas intervenções clínicas de Terapia Ocupacional ainda é pouco compreendido pelo cuidador.


Palavras-chave


Paralisia Cerebral, criança, pais, modelo lúdico

Texto completo:

PDF

Referências


- Ferland, F. O modelo lúdico: o brincar, a criança com deficiência física e a terapia ocupacional. 3a. ed. São Paulo: Roca, 2006.

- Takatori, M. O brincar na Terapia Ocupacional: Um enfoque na criança com lesões neurológicas. São Paulo: Zagodoni Editora; 2012.

- Finnie, NR. O manuseio em casa da criança com paralisia cerebral. 3a. ed.Trad. Maria da Graça Figueiró da Silva. São Paulo: Manole, 2000.

- Maclean, MF. Pais como co-terapeutas para crianças com dificuldades de aprendizagem motora. Cad Ter Ocup UFSCar, 1992; 3(2):ago-set.

- Bax, M et al. Proposed definition and classification of cerebral palsy. Developmental Medicine & Child Neurology. 2005; 47(8):571-576.

- Della Barba, PCSD, Nascimento, DV. O brincar no cotidiano da criança com deficiência física e a prática da Terapia Ocupacional. Relatório de pesquisa apresentado ao CNPq/PIBIC, 2011.

- Ferland, F. Além da deficiência física ou intelectual: um filho a ser descoberto. Londrina: Lazer & Sport, 2009.

- Pedretti L, Early M. Terapia Ocupacional: Capacidades praticas para as disfunções físicas. 5ª edição. São Paulo: Roca LTDA, 2005.

- Bezerra, WC. O brincar sobre a perspectiva da Terapia Ocupacional. In: CONGRESSO ALAGOANO INTERDISCIPLINAR DE LUDOTERAPIA, Alagoas, 2012. Anais. Curitiba, 2012. p. 115.

- Nunes, F, Figueiredo, M, Della Barba, PCS, Emmel, MLG. Retratos do cotidiano de meninos de cinco e seis anos: a atividade de brincar. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 21, n. 2, p. 275-287, 2013.

- Sant´Anna, MMM; Blascovi-Assis, SM; Magalhães, LC. Adaptação transcultural dos protocolos de avaliação do Modelo Lúdico. Rev Ter Ocup Univ USP. 2008; 19(1): 34-47.

- Sant´anna, MMM. Tradução e adaptação transcultural dos protocolos de avaliação do Modelo Lúdico para crianças com paralisia cerebral [Dissertação]. São Paulo: Universidade Presbiteriana Meckenzie; 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO

Indexado em: