Livro das Meditações (cód. alc. CCLXXIV/212): edição

César Nardelli Cambraia, Leonardo Mordente

Resumo


O objetivo deste trabalho é apresentar uma edição da tradução medieval portuguesa do Livro das Meditações, que circulou originalmente em latim na Idade Média sob a autoria de Santo Agostinho, mas constitui uma obra apócrifa construída a partir de diversas fontes, dentre elas um dos textos do próprio religioso. As principais fontes da obra foram Anselmo de Cantuária (ca. 1033-1109), Liber de Speculo, Alcuíno de York (735-804) e Agostinho (354-430), embora constem também João de Fécamp (1028-1078), Gregório Magno (ca. 540-604) e Pedro Damião (ca. 1007-ca. 1072). O texto português apresenta 38 capítulos, faltando provavelmente um por mutilação do códice. A linguagem do texto sugere que sua tradição compreende a realização de uma tradução no séc. XIV e a produção de cópia(s) no primeiro quarto do séc. XV e depois, novamente, outra(s) cópia(s) no segundo quarto do séc. XV, ou, mais precisamente, entre 1435 e 1468 (neste último caso, tratar-se ia do testemunho alcobacense).



Palavras-chave


Pseudo-Agostinho; Língua Portuguesa; Idade Média; Tradução; Crítica Textual.

Texto completo:

PDF

Referências


AMOS, Thomas L. The Fundo Alcobaça of the Biblioteca Nacional, Lisbon. Collegeville (Minnesota): Hill Monastic Manuscript Library, 1988-1990. 3 vols.

ANSELMO, António Joaquim. Os códices alcobacenses da Biblioteca Nacional. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1926.

ATAÍDE E MELO, Arnaldo F. de. Inventário dos códices alcobacenses. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1930-1932, 1978. 6 tomos.

BECHARA, Evanildo. As fases históricas da língua portuguesa; tentativa de proposta de nova periodização. 1985. Tese (Concurso para Professor Titular de Língua Portuguesa) ‒ Instituto de Letras, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1985.

BITAGAP (Bibliografia de Textos Antigos Galegos e Portugueses). Dir. Arthur L-F. Askins. The Bancroft Library. University of California, Berkeley, 1997-. Disponível em: http://vm136.lib.berkeley.edu/BANC/philobiblon/bitagap_en.html. Acesso em: 31 jan 2017.

CAMBRAIA, César Nardelli. Livro de Isaac: edição e glossário (cód. ALC 461). 2000. 753f. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) ‒ Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000. Disponível em: http://150.164.100.248/profs/cesarnardelli/data1/arquivos/2000-CambraiaIsaac.pdf. Acesso em: 31 jan. 2017.

CAMBRAIA, César Nardelli. Vida do cativo monge confesso: edição semidiplomática das versões alcobacenses portuguesa (cód. ALC 181) e latina (cód. ALC 367). Estudos Portugueses e Africanos, Campinas, n. 40, p. 63-83, 2002. Disponível em: http://150.164.100.248/profs/cesarnardelli/data1/arquivos/2002-Cambraia-Vida.pdf. Acesso em: 31 jan. 2017.

CAMBRAIA, César Nardelli. Reconstruindo a tradição medieval portuguesa do Livro de Isaac: estudo lingüístico comparativo das versões existentes. In: CONGRESO INTERNACIONAL DE LINGÜÍSTICA Y FILOLOGÍA ROMÁNICA, XXIII, 24-30 setembro 2001, Salamanca. Actas... Tübingen: Max Niemeyer, 2003. v. IV. p. 53-67. Disponível em: http://150.164.100.248/profs/cesarnardelli/data1/arquivos/2003-Cambraia-Reconstruindo.pdf. Acesso em: 31 jan. 2017.

CAMBRAIA, César Nardelli. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CAMBRAIA, César Nardelli; ALKIMIM, Ilma Maria. Três breves tratados religiosos alcobacenses (cód. alc. 200): edição e estudo. In: CAMBRAIA, César Nardelli; MIRANDA, José Américo. (Org.). Crítica textual: reflexões e práticas. Belo Horizonte: Núcleo de Estudos de Crítica Textual / Faculdade de Letras / UFMG, 2004, p. 9-46. Disponível em: http://150.164.100.248/profs/cesarnardelli/data1/arquivos/2004-Cambraia-Alkimim-Tres.pdf. Acesso em: 31 jan. 2017.

CAMBRAIA, César Nardelli; OLIVEIRA, Cláudio Manoel Figueiredo de; SILVA, Júlia Selani Rodrigues; LIMA, Maria Célia Romes de; BITTENCOURT, Maria Tereza Ramos. Cinco breves tratados religiosos alcobacenses: edição semidiplomática (cód. ALC 461). Caligrama: Revista de Estudos Românicos, Belo Horizonte, v. 6, p. 7-28, 2001. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17851/2238-3824.6.0.7-28.

CINTRA, Maria Adelaide Valle. Livro de solilóquio de Sancto Agostinho (cód. alcob. CCLXXIII): texto crítico, introdução, notas e glossário. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1947.

CINTRA, Maria Adelaide Valle. Livro de solilóquio de Sancto Agostinho (cód. alcob. CCLXXIII/198): edição crítica e glossário. Lisboa: Centro de Estudos Filológicos, 1957. (Publicações do Centro de Estudos Filológicos, 6).

DANTAS, Júlio. Os livros em Portugal na Idade Média. Anais das Bibliotecas e Arquivos, Lisboa, v. 2, n. 6, p. 101-109, jun. 1921. Disponível em: http://purl.pt/258/1/bad-1510-v/index-02-HTML/P_P112.html. Acesso em: 31 jan. 2017.

DUARTE. Leal conselheiro. Paris: Aillaud, 1852. Disponível em: https://archive.org/download/lealconselheiroo1854duar/lealconselheiroo1854duar.pdf. Acesso em: 31 jan. 2017.

GOMES, Saul António ‘O fogo do teu amor’: orações e meditações de um monge alcobacense. Lusitania Sacra, 2ª série, n. 22, p. 245-268, 2010. Disponível em: http://portal.cehr.ft.lisboa.ucp.pt/LusitaniaSacra/index.php/journal/article/view/280/269. Acesso em: 31 jan. 2017.

HORTO do Esposo. Edição crítica de Irene Freire Nunes. Coordenação de Helder Godinho. Estudos introdutórios de Ana Paiva Morais e Paulo Alexandre Pereira. Com a colaboração de Margarida Santos Alpalhão, Paulo Alexandre Pereira e Joaquim Segura. Lisboa. Edições Colibri, 2007.

INDEX Codicum Bibliothecae Alcobatiae. Lisboa: Typoghaphia Regia, 1775. Disponível em: http://books.google.com/books?id=5OF0Fk1cTAkC. Acesso em: 31 jan. 2017.

MARTINS, Mário. Os Solilóquios e Meditações do pseudo-Agostinho, em medievo-português. Brotéria, Lisboa, v. 55, p. 168-177, 1952.

MARTINS, Mário. As “Meditações” do cód. alc. CCLXXIV/212 e as suas fontes augustinianas e bíblicas. Brotéria, Lisboa, v. 60, p. 520-527, 1955a.

MARTINS, Mário. Santo Agostinho nas bibliotecas portuguesas da Idade Média. Revista Portuguesa de Filosofia, Braga, v. 11, n. 2, p. 172-176, 1955b.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Pero e porém: mudanças em curso na fase arcaica da língua portuguesa. Boletim de Filologia, Lisboa, t. XXIX, v. II, p. 129-151, 1984. Disponível em: http://cvc.instituto-camoes.pt/conhecer/bibliotecadigital-camoes/lingua-1/256-256/file.html. Acesso em: 31 jan. 2017.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Estruturas trecentistas. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1989.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Para uma caracterização do período arcaico do português. Delta, São Paulo, v. 10, n. Especial, p. 247-276, 1994.

MIGNE, Jacques-Paul. Patrologia Latina. Paris: Ed. do Autor, 1845. Disponível em: http://books.google.com/books?id=xvMQAAAAYAAJ. Acesso em: 31 jan. 2017.

MORDENTE, Leonardo Santana. Meditações de Pseudo-Agostinho (cód. alc. 212): edição semidiplomática. 2003. 90 f. Monografia (Graduação em Letras: Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

MORDENTE, Leonardo Santana. Meditações de Pseudo-Agostinho (cód. alc. 212): edição e estudo. In: CAMBRAIA, César Nardelli; MIRANDA, José Américo de Barros. (Orgs.). Crítica textual: reflexões e práticas. Belo Horizonte: Núcleo de Estudos de Crítica Textual da Faculdade de Letras da UFMG, 2004. p. 47-63. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/site/e-livros/Cr%C3%ADtica%20Textual-%20Reflex%C3%B5es%20e%20Pr%C3%A1ticas.pdf. Acesso em: 31 jan. 2017.

OLINDA, Sílvia Rita. “Pois” e “ca”: mudanças semânticas e sintáticas no português arcaico. 1991. Dissertação (Mestrado) ‒ Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1991.

SILVA NETO, Serafim da Silva. Textos medievais portugueses e seus problemas. Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 1956.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v2i2.10002

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.