A inserção do você no português brasileiro escrito dos séculos XIX e XX: reflexos nas construções imperativas de 2SG

Márcia Cristina de Brito Rumeu

Resumo


O objetivo deste artigo é refletir sobre o encaminhamento histórico da implementação do você no sistema pronominal do português brasileiro e o seu reflexo nas estruturas imperativas de 2SG. Assume-se como ponto de partida o fato de uma das repercussões da inserção do você no sistema pronominal do português brasileiro (RUMEU, 2013; SOUZA, 2012) ter sido a alternância entre as formas verbais de indicativo e de subjuntivo nas construções imperativas de 2SG (vem tu, vem você, venha você). Na perspectiva de uma análise metodologicamente orientada pelos princípios da sociolinguística histórica (CONDE SILVESTRE, 2007; HERNÁNDEZ-CAMPOY; SCHILLING, 2012) e embasada em um conjunto de missivas históricas produzidas por cariocas cultos entre 1860 e 1980, ratifica-se a conjectura de que a partir dos anos 30 do século XX (RUMEU, 2008; SOUZA, 2012) o você-sujeito consolida-se como forma pronominal de 2SG pari passu as construções de imperativo supletivo também prevaleçam nas missivas cariocas (DINIZ, 2018). Além de o contexto do você-sujeito acompanhar as construções de imperativo supletivo, comprovou-se que as cartas mistas (cartas de alternância tu/você) funcionam também como contexto que tende a influenciar moderadamente o imperativo abrasileirado (DINIZ, 2018). Trata-se, pois, da expressão de uma mudança internamente encaixada no sistema linguístico do PB conforme previsto por Lopes (2007) acerca das repercussões da inserção do você no paradigma pronominal do português brasileiro.

Palavras-chave


Imperativo gramatical; Alternância tu/você; Variação linguística.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUILAR, R. C. Presencia de lo oral en lo escrito: la transcripción de las declaraciones en documentos indianos del siglo XVI. OESTERREICHER,W.; STOLL, E.; WESCH, A. (Ed.) Competencia escrita, tradiciones discursi¬vas y variedades linguísticas: aspectos del español europeo y americano en los siglos XVI y XVII. Tubingen: Narr., 1998. p. 219-242.

BERGS, A. Social networks and historical sociolinguistics: studies in morphosyntactic variation in the Paston letters (1421-1503). Berlim: Walter de Gruyter, 2005.

BRITO, A. M.; DUARTE, I.; MATOS, G. Estrutura da frase simples e tipos de frases. In: MATEUS, M.H.M. et al. Gramática da língua portuguesa. Lisboa: Caminho, 2006. p. 433-506.

CARDOSO, D. B. B. O imperativo gramatical no português do Brasil. Revista de Estudos da Linguagem, v. 14, n. 2, 2006. p. 317-240. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.14.2.317-340.

CONDE SILVESTRE, J. C. Sociolinguística histórica. Madrid: Gredos, 2007.

CUNHA, C.; CINTRA, L. F. L. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007 [1985].

CUNHA, C.A. Questão da Norma culta. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985.

DINIZ, J. S. A expressão variável do imperativo de 2a pessoa do singular no português brasileiro: análise de cartas pessoais dos séculos XIX e XX. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, 2018.

ELSPASS, S. The Use of Private Letters and Diaries in Sociolinguistic Investigation. In: HERNÁNDEZ-CAMPOY, J. M.; CONDE-SILVESTRE, J. C. The Handbook of Historical Sociolinguistics. Oxford: Wiley-Blackwell, 2012. p. 156-169.

FARIA, I.H. O uso da linguagem. In: MATEUS, M. H. M. et al. Gramática da língua portuguesa. Lisboa: Caminho, 2006. p. 55-84.

FARACO, C.A. Considerações sobre a sentença imperativa no português do Brasil. In: D.E.L.T.A., v. 2, n. 1, 1986. p. 1-15.

FAVARO, G.S. Estudo morfológico das formas verbais do modo imperativo nas Cantigas de Santa Maria. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2016.

HERNÁNDEZ-CAMPOY, J.M.; SCHILLING, N. The Application of the Quantitative Paradigm to Historical Sociolinguistics: Problems with the Generalizability Principle. In: Hernándex-Campoy, J. M.; Conde Silvestre, J. C. The Handbook of Historical Sociolinguistics. Oxford: Wiley-Blackwell, 2012. p. 63-79.

LABOV, W. Principles of Linguistic change: social factors. Cambridge: Blackwell Publishers, v. 2, 2001.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change: Internal Factors. Cambridge: Blackwell Publishers, 1994.

LOBO, T.C.F. Para uma sociolinguística histórica do português no Brasil. Edição filológica e análise linguística de cartas particulares do Recôncavo da Bahia, século XIX. Volume II. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

LOPES, C. R. S.; CAVALCANTE, S. O. A cronologia do voceamento no português brasileiro: expansão de você-sujeito e retenção do clítico-te. In: Lingüística, v. 25, 2011. p. 30-65.

LOPES, C. R. S.; RUMEU, M. C. B. O quadro de pronomes pessoais do português: as mudanças na especificação dos traços intrínsecos. In: CASTILHO, A. T.; MORAIS, M. A. T.; LOPES, R. E. V.; CYRINO, S. M. L. (Orgs.) Descrição, história e aquisição do português brasileiro – Estudos dedicados a Mary Kato. Campinas: Pontes Editora/Fapesp, 2007. p. 419-435.

LOPES, C. R. S. Pronomes pessoais. In: BRANDÃO, S. F; VIEIRA, S. R. (Orgs.). Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007. p. 103-114.

LOPES, C. R. S. A inserção de ‘a gente’ no quadro pronominal do português. 1a ed., Frankfurt/Madri: Vervuert/Iberoamericana, 2003.

LOPES, C. R. S. A inserção de 'a gente' no quadro pronominal do português: seu percurso histórico. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

PAREDES SILVA, V. L.; SANTOS, G.; RIBEIRO, T. Variação na 2ª pessoa: o Pronome sujeito e a forma do imperativo. Revista Gragoatá, v. 9, n. 9, 2000. p. 115-123.

RIVERO, M. Negation, imperatives and wackernagel effects. Rivista di Linguistica, v. 6, n. 1, 1994. p. 39-66.

RIVERO, M.; TERZI, A. Imperatives, V-movement and logical mood. Journal of Linguistics, v. 31, n. 2, 1995. p. 301-332.

ROCHA LIMA, C. H. Gramática normativa da língua portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011 [1972].

ROMAINE, S. Socio-historical linguistics: its status and methodology. Cambridge: Cambridge University Press, 2010 [1982].

RUMEU, M. C. B.; CARVALHO, L. F. O imperativo em livros didáticos de língua portuguesa: a distância entre pesquisa e ensino. Matraga - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ, v. 25, n. 44, 2018. p. 391-409. Disponível em: https://doi.org/10.12957/matraga.2018.33955.

RUMEU, M. C. B. Língua e sociedade: a história do pronome 'Você' no português brasileiro. Rio de Janeiro: Ítaca/FAPERJ, 2013.

SCHERRE, M. M. P.; DIAS, E. P.; ANDRADE, C.; MARTINS, G. F. Variação dos pronomes “tu” e “você”. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p. 133-172.

SCHERRE, M. M. P. Aspectos sincrônicos e diacrônicos do imperativo gramatical no português brasileiro. Alfa, v.51, n. 1, 2007. p. 189-222. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/1432/1133.

SOUZA, J. P. F. Mapeando a entrada do você no quadro pronominal: análise de cartas familiares dos séculos XIX-XX. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. I. Empirical foundations for a theory of language change. In: LEHMANN, W.; MALKIEL, Y. Directions for historical linguistics. University of Texas Press, 1968.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5iespecial.24395

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.