Acerca da posição do adjetivo no sintagma nominal: variação e/ou mudança?

Dinah Callou, Márcia Cristina de Brito Rumeu

Resumo


A proposta do trabalho é trazer uma contribuição ao estudo da alternância de posição pós/pré-nominal do adjetivo no sintagma nominal, a partir da análise de cartas pessoais oitocentistas e novecentistas, dando mais um passo no sentido de detectar o nível de produtividade da posição anteposta, fazendo uso de amostras de língua escrita informal de redatores brasileiros, originários de dois estados da região Sudeste do Brasil (RJ e MG). A origem dos missivistas, restrições de natureza sintático-semânticas, propriedades associativas e a hipótese de a posição do adjetivo à esquerda ou à direita do núcleo do SN corresponder a uma propriedade já definida no componente lexical do item são discutidas. A análise dos dados das cartas confirma a preferência pela posposição, não-categórica, a baixa frequência de itens variáveis, sem deixar de ter em mente o fato de, no decorrer dos séculos, alguns adjetivos perderem/assumirem o traço pré-nuclear [+PN] (público instrumento – século XIX / instrumento público – século XX; tribunal supremo - século XIX / supremo tribunal – século XX, em geral, em expressões cristalizadas da linguagem jurídica. A mudança e/ou fixação da posição do adjetivo no interior do sintagma nominal parece estar inserida no conjunto maior de mudanças de ordem no português brasileiro (PB).


Palavras-chave


Adjetivo. Sintagma nominal. Anteposição. Posposição. Variação. Mudança.

Texto completo:

PDF

Referências


BERGS, A. The Uniformitarian Principle and the Risk of Anachronisms in Language and Social History. In: HERNÁNDEZ-CAMPOY, J.M.; CONDE-SILVESTRE, J.C. The Handbook of Historical Sociolinguistics. Oxford: Wiley-Blackwell, 2012. p. 80-98.

BUĎA, J. A posição do adjetivo no sintagma nominal em português. Études Romanes de BRNO 38, Masaryk University Press, p. 1-10 , 2017.

CALLOU, D.; BATISTA, P. G. A questão da ordem: adjetivos em função adnominal. In: CALLOU, D.; BARBOSA, A. A Norma Brasileira em construção: cartas a Rui Barbosa (1866 a 1899). Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2011. p. 219-236.

CALLOU, D.; BACELAR DO NASCIMENTO, M. F.; SERRA, C. R.; BARBOSA, A.; AMARO, R.; PEREIRA, L. A. S.; MENDES, A.; VELOSO, R. A posição do adjetivo no sintagma nominal: duas perspectivas de análise. In: BRANDÃO, S.; MOTA, M. A. (Org.). Análise contrastiva de variedades do português: primeiros estudos. Rio de Janeiro: In-Fólio, 2003. p. 11-35.

CALLOU, D.; SERRA, C. A variação na ordem dos adjetivos nos últimos quatro séculos. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO J. (orgs.). Português brasileiro. Contato linguístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2003. p. 191-205.

CÂMARA JR., J. M. The Portuguese language. Chicago: University of Chicago Press, 1972.

CARMO, L; BARBOSA, A. G.; LUCENA, R. Cartas entre compadres: Carlos Nunes de Aguiar e Rui Barbosa. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa (no prelo).

CUNHA, C; CINTRA, L. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 2a ed. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1985.

HARRIS, M. The evolution of French Syntax. London: Longman, 1978.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change: Internal Factors. Cambridge: Blackwell Publishers, 1994.

LAPA, M. R. Estilística da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1968.

LEHMANN, W. Proto-indo-european syntax. Austin: University of Texas Press, 1974.

LEHMANN, W. Contemporary linguistics and Indo-european studies. PMLA Cambridge University Press vol. 87, 5, p. 976-993, 1972.

LUZ, R. D. O Tratamento na Produção Epistolar de João Pinheiro da Silva: análise sociopragmática de TU x VOCÊ e respectivas formas gramaticais. Dissertação (Mestrado em Letras: Estudos da Linguagem). Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2015.

MALACA CASTELEIRO, J. Sintaxe Transformacional do Adjectivo. Lisboa, INIC, 1981.

MATEUS, M. H.; BRITO, A. M.; DUARTE, I.; FARIA, I. H. Gramática da língua portuguesa. 7ª ed. Lisboa: Editorial Caminho, AS, 2003.

MOURA NEVES, M. H. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP, 2000.

NEGRÃO, E. V; MULLER, A. L.; NUNES-PEMBERTON, G; FOLTRAN, M. J. O adjetivo. In.: ILARI, R.; NEVES, M. H. M. (Orgs.) Gramática do Português Falado Culto no Brasil: classes de palavras e processos de construção. Volume 2. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 2008. p. 371-396.

MOURA NEVES, M. H. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP, 2000.

PERINI, M. A. Gramática descritiva do português. 2a ed. São Paulo: Ática, 1996.

SALES, S; CALLOU, D.; SERRA, C. A ordem dos adjetivos em textos jornalísticos. In: MOLLICA, C.; RONCARATI, C. (orgs.) Anais do III Congresso Internacional da ABRALIN 2003. UFF/CEG. Publicação digital.

SERRA, C. A ordem dos adjetivos no percurso histórico: variação e prosódia. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

SILVA, S. S. A ordem dos adjetivos no discurso midiático: séculos XIX e XX. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

SINCLAIR, J. Corpus, Concordance, Collocation. Oxford: Oxford University Press, 1991.

SINCLAIR, J. Lexical Grammar. Meijerbergs ARKIV, 27, Göteborg, 2001.

SOARES BARBOSA, J. Grammatica philosophica da lingua portuguesa. Lisboa: Academia de Sciencias, 1822.

TARALLO, F. Tempos linguísticos: itinerário histórico da língua portuguesa. São Paulo: Ática, 1994.

TARALLO, F. Diagnosticando uma Gramática Brasileira: o Português d’aquém e d’além-mar ao final do século XIX. In: ROBERTS, I.; KATO, M. (Orgs.). 2ª ed. Português Brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP, 1996. p. 69-106.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. I. Empirical foundations for a theory of language change. In: LEHMANN, W.; MALKIEL, Y. (Orgs.) Directions for historical linguistics. University of Texas Press. 1968. p. 95-195.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v7iespec.42801

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Dinah Callou; Márcia Cristina de Brito Rumeu

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.