Amostras históricas do português escrito nos séculos XIX e XX: orientações metodológicas

Márcia Cristina de Brito Rumeu, Ana Luisa Póvoa de Souza, Erenildo Queiroz de Souza, Igor dos Reis Alcântara, Gabriela Vilela Souza Martins, Juliana Sander Diniz, Marcos Alexandre dos Santos, Natália Figueiredo Silva, Natália Gontijo Alves, Nayara Domingues Cardoso, Raissa Figueiredo

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar o atual estágio do processo de constituição de corporahistóricos para o estudo da língua portuguesa em terras mineiras no decorrer dos séculos XIX e XX. Com base na produção de conservadoras edições de documentos pessoais e oficiais, à luz das orientações teórico-metodológicas de Bergs (2005); Conde Silvestre (2007); Hernández-Campoy e Conde Silvestre (2012), buscamosexpor algumas evidências de edições de atas, estatutos confrariais,receitas culináriasecartas pessoaisproduzidas por mineiros entre os séculos XIX e XX.A proposta é a de apresentar amostras históricas representativas dos acervos históricos de Minas Gerais até o momento levantadas e estudadas no âmbito da FALE/UFMG,tendo em vista, por exemplo, o fato de as cartas mais íntimas (familiares e amorosas) mostrarem-se preferencialmente mais transparentes em relação à explicitação de traços linguísticos da norma de uso (CUNHA, 1985) do PB, cf. discutido por Rumeu (2013).Em contrapartida, nas atasdo IHGMG e nos estatutos confrariais, prevemos a expressão não só da escrita culta mineira cujo contexto de escritura é de elevado grau de formalismo, mas também de pistas do contexto histórico-social. Acreditamos, pois, em conformidade com Lobo (2001), que conservadoras edições de manuscritos históricos (oficiais ou não-oficiais) correspondam aos desejos do linguista-pesquisador ávido por fontes fidedignas ao estudo da estruturação da pluralidade de normasdo português brasileiro, cf. Callou, Barbosa e Lopes (2006).


Palavras-chave


Crítica textual. Corpora históricos. O método na sociolinguística histórica. Filologia. Paleografia

Texto completo:

PDF

Referências


ACIOLI, V. L. C. A escrita no Brasil colônia: um guia para a leitura de documentos manuscritos. Recife: FUNDAJ, Editora Massangana, UFPE, Editora Universitária, 1994.

ALCÂNTARA, I. R. A edição filológica de manuscritos oitocentistas da Comarca de Ouro Preto: descrição de aspectos codicológicos e paleográficos. Monografia (Graduação). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

AGUILAR, R. C. Presencia de lo oral en lo escrito: la transcripción de las declaraciones en documentos indianos del siglo XVI. OESTERREICHER,W.; STOLL, E.; WESCH, A. (Orgs.) Competencia escrita, tradiciones discursi¬vas y variedades linguísticas: aspectos del español europeo y americano en los siglos XVI y XVII. Tubingen: Narr. 1998. p. 219-242.

BERGS, A. Social networks and historical sociolinguistics: studies in morphosyntactic variation in the Paston letters (1421-1503). Walter de Gruyter, 2005.

BERWANGER A. R.; LEAL J. E. F. Noções de paleografia e diplomática. 3ª ed. rev. e ampl. Santa Maria: Ed. UFSM; 2008 [1995].

BUENO, A. H. C.; BARATA, C.. Dicionário das Famílias Brasileiras. Volumes I e II. São Paulo. 2001.

CALLOU, D.; BARBOSA, A. G.; LOPES, C. R. S. O Português do Brasil: polarização sociolinguística. In.: CARDOSO, S. A. M.; MOTA, J. A.; MATTOS E SILVA, R. V. (Orgs.). Quinhentos anos de história linguística do Brasil. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo do Estado da Bahia. 2006. p. 257-292.

CARDOSO, N. D. As estratégias de dativo de 2a pessoa em cartas pessoais (séculos XIX e XX). Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

CARVALHO E SILVA, M. Crítica textual: conceito - objeto - finalidade. Confluência, Rio de Janeiro, n. 7, p. 57-63, 1994.

CAVALCANTE S. R. O. Mudança e estabilidade em construções passivas na história do português. Lingüística. 2016; 32(1): 41-60.

CONDE SILVESTRE, J. C. Sociolinguística histórica. Madrid: Gredos. 2007.

CONDÉ, V. G. As cantigas trovadorescas galego-portuguesas: uma análise filológica. In: GIL, Beatriz Daruj; CARDOSO, Elis de Almeida; CONDÉ, Valéria Gil (Orgs.) Modelos de análise linguística. São Paulo: Contexto, 2009. p. 235-249.

CUNHA, C. A Questão da Norma culta. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1985.

COSTA, J. C. A ordem dos clíticos em complexos verbais: uma análise sociolinguística de cartas mineiras. Monografia (Graduação). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

CRUZ, I. A. A alternância tu/você em contextos sintáticos de complementação e de adjunção: estudo de cartas pessoais dos séculos XIX e XX. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

DINIZ, J. S. A expressão variável do imperativo de 2a pessoa do singular no português brasileiro: análise de cartas pessoais dos séculos XIX e XX. 2018. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, 2018.

ELSPASS, S. The Use of Private Letters and Diaries in Sociolinguistic Investigation. In: HERNÁNDEZ-CAMPOY, J. M.; CONDE-SILVESTRE, J. C. The Handbook of Historical Sociolinguistics. Wiley-Blackwell. 2012. p. 156-169.

FARIA, M. I.; PERICÃO, M. G. (Orgs.) Dicionário do Livro: da escrita ao livro eletrónico. Coimbra: Almedina, 2008.

FRANÇA, R. M. M. A Referência variável ao sujeito de 2a pessoa do singular em missivas mineiras: uma breve investida pelos séculos XIX e XX. Monografia (Graduação). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

FIGUEIREDO, R. A alternância 'Tu' e 'Você' em cartas familiares e amorosas novecentistas. Monografia (Graduação). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

HERNÁNDEZ-CAMPOY, J. M.; CONDE SILVESTRE, J. The Handbook of Historical Sociolinguistics. Oxford, Wiley-Blackwell, p. 63-79, 2012.

HERNÁNDEZ-CAMPOY, J. M.; SCHILLING, N. The Application of the Quantitative Paradigm to Historical Sociolinguistics: Problems with the Generalizability Principle. In: Hernández-Campoy; Conde Silvestre. The Handbook of Historical Sociolinguistics. Oxford, Wiley-Blackwell, p. 63-79, 2012.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change: Internal Factors. Cambridge: Blackwell Publishers, Volume 1, 1994.

LASMAR, J. O Instituto Histórico e Geográfico: uma História Centenária. 2ª ed. Belo Horizonte: Instituto Histórico e Geográfico, 2015.

LOBO, T. C. F. Para uma sociolinguística histórica do português no Brasil. Edição filológica e análise linguística de cartas particulares do Recôncavo da Bahia, século XIX. Volume II. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2001.

LIMA, A. X.; MARCOTULIO, L. L.; RUMEU, M. C. B. Experiências metodológicas em constitiuição de corpora: pistas para um pesquisador iniciante. In: CASTILHO, Ataliba Teixeira de. (Org.). História do português brasileiro: corpus diacrônico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2019, v. 2, p. 68-91.

MARTINS, G. V. S. A edição de receitas culinárias novecentistas para o estudo do português brasileiro. Monografia (Graduação). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

MARTINS FILHO, A. V. Novo Dicionário Biográfico de Minas Gerais: 300 anos. Belo Horizonte: Instituto Cultural Amilcar Martins, 2013.

MARQUILHAS, R. A Faculdade das Letras: leitura e escrita em Portugal no Século XVII. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda. 2000.

NUÑEZ CONTRERAS, L. Manual de paleografía: fundamentos e historia de la escritura latina hasta el siglo VIII. Madrid: Cátedra; 1994.

PESSANHA, L.; COSTA, J.O; WALTER, A.; ROSENBURG, J. (Orgs.) Annaes do II Congresso Brasileiro de Instrucção Primaria e Secundaria. Belo Horizonte: Imprensa Official do Estado de Minas Geraes, 1913.

ROMAINE, S. Socio-historical linguistics: its status and methodology. Cambridge University Press. New York. 2010 [1982].

RUMEU, M. C. B. Língua e sociedade: a história do pronome 'Você' no português brasileiro. Rio de Janeiro: Ítaca (FAPERJ), 2013.

SANTIAGO-ALMEIDA, M. M. Os manuscritos e impressos antigos: a via filológica. In: GIL, Beatriz Daruj; CARDOSO, Elis de Almeida; CONDÉ, Valéria Gil (Orgs.) Modelos de análise linguística. São Paulo: Contexto, 2009. p. 223-234.

SANTOS, M. A. BISCOUTOS, ASSUCAR E CANELLA: edição filológica de receitas culinárias novecentistas. Monografia (Graduação). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

SILVA, F. S. Edição de atas novecentistas para o estudo da expressão escrita do português brasileiro culto. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

SILVA, M. R. O artífice da memória. Revista do Arquivo Público Mineiro: História e Arquivística, nº1, p. 75-91, 2007.

SPINA, S. Introdução à edótica: crítica textual. 2a ed. São Paulo: Cultrix/Edusp. 1977.

SPAGGIARI, B.; PERUGI, M. Fundamentos da crítica textual. Rio de Janeiro: Lucerna; 2004.

VASCONCELLOS, C. A.; SANTIAGO-ALMEIDA, M. M. Contribuição da Filologia e da Crítica Textual para o Estudo de Documentos Manuscritos de Paranaguá, SIGNUM: Estudos da Linguagem, Londrina, n. 15/1, p. 335-356, 2012.




DOI: https://doi.org/10.24206/lh.v5i2.24452

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 LaborHistórico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

LaborHistórico | ISSN 2359-6910

A Revista LaborHistórico da Universidade Federal do Rio de Janeiro está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.