Terapia Ocupacional e educação em saúde: experiência de um grupo de convivência de mulheres com Diabetes Melliitus/Occupational Therapy and health education: experience of a group of social living in between women with diabetes mellitus

Maiquel Adriano Kullmann, Silvani Vargas Vieira, Miriam Cabrera Corvelo Delboni, Tialhes Farias Marconato

Resumo


Resumo

Associado ao envelhecimento populacional, verifica-se um aumento considerável do Diabetes Mellitus (DM) em nível mundial. A equipe multidisciplinar, na qual se insere o terapeuta ocupacional, é de extrema importância na atenção aos indivíduos com a DM, a fim de impedir os vários agravos que a doença pode ocasionar, por meio do desenvolvimento de ações para promoção e reabilitação da saúde. Nesse sentido, o estudo teve como objetivo geral verificar se ações de Educação em Saúde, realizadas pela Terapia Ocupacional em um grupo de convivência entre mulheres com DM, contribuem para a melhoria da qualidade de vida de indivíduos com Diabetes Mellitus. O estudo foi realizado no período de abril a junho de 2017, em um Centro de Convivência localizado na Região Central do Rio Grande do Sul, Brasil. Para a coleta dos dados, foram realizadas entrevistas com oito mulheres participantes do grupo de convivência coordenado por docentes e estagiários do Curso de Terapia Ocupacional. Verificou-se que a participação no grupo de convivência contribuiu para a melhoria da promoção e cuidado em saúde das mulheres entrevistadas, no que se refere a uma melhor compreensão, aceitação e controle do diabetes, mudanças de hábitos alimentares e criação de vínculos sociais. Considera-se que o grupo de convivência se apresenta como uma estratégia eficaz para ações de educação e promoção da saúde, sendo oportuna a sua continuidade e divulgação das experiências dele advindas, para que possa servir de exemplo a outros grupos que tenham por objetivo a promoção da saúde e da qualidade de vida de indivíduos com Diabetes Mellitus. 

 

Abstract

Associated with the aging population, there is also a considerable increase in Diabetes Mellitus (DM) worldwide. The multidisciplinary team, which includes the occupational therapist, is extremely important in the attention to individuals with DM, in order to prevent the various diseases that the disease can cause, developing actions to promote and rehabilitate health. In this sense, the study had as general objective to verify if Health Education actions carried out by Occupational Therapy in a social living group among women with DM contributes to the improvement of the quality of life of individuals with diabetes mellitus. The date was to be seen by June of June of 2017 in a social living Center located in the Central Region of Rio Grande do Sul, Brazil. For the data collection interviews were conducted, with the eight women participants of the social living group coordinated by teachers and trainees of Course of Occupational Therapy. It was verified that a participation the social living group contributed to an improvement in the promotion and care of the women interviewed, regarding better understanding, acceptance and control of diabetes, mood and fun changes and creation of social thoughts. It is considered that the social living group presents itself as an effective strategy for actions of education and health promotion, being timely its continuity and dissemination of the experiences from them, so that it can serve as an example to other groups that have for objective the promotion health and quality of life for individuals with diabetes mellitus.

Keywords: Mellitus Diabetes, Women, Group Practice, Occupational Therapy.


Palavras-chave


Terapia Ocupacional; Diabetes Mellitus; Mulheres; Prática de Grupo.

Texto completo:

PDF

Referências


International Diabetes Federation. IDF Diabetes Atlas - 8TH Edição. Disponível em:http://www.diabetesatlas.org/across-the-globe.html Acesso em: 25 nov. 2018.

Mendes, TAB; Goidbaum, M; Segri, NJ; Barros, MBA; Cesar, CLG; Carandina, L; Alves, MCGP. Diabetes mellitus: fatores associados à prevalência em idosos, medidas e práticas de controle e uso dos serviços de saúde em São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2011; 27(6): 1233-1243. http://dx.doi.org/10.1590/S0102311X2011000600020

Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2015-2016) / Adolfo Milech... [et. al.];organização José Egidio Paulo de Oliveira, Sérgio Vencio - São Paulo: A.C. Farmacêutica, 2016. Disponível em: http://www.diabetes.org.br/profissionais/images/docs/DIRETRIZESSBD-2015-2016.pdf Acesso em: 24 out. 2016.

Grillo, MFF; Gorini, MIPC. Caracterização de Pessoas com Diabetes Mellitus tipo II. Rev. Bras. Enferm. 2007; jan-fev; 60(1): 49- 54. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672007000100009

Costa, JA; Balga, RSM; Alfenas, ACG; Cotta, RMM. Promoção da saúde e diabetes: discutindo a adesão e a motivação de indivíduos diabéticos participantes de programas de saúde. Ciênc. Saúde Coletiva, 2011; 16(3): 2001-2009. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-1232011000300034

Teixeira, CRS; Zanetti, ML. O trabalho multiprofissional com grupo de diabéticos. Rev. Bras. Enferm. 2006; 59(6): 812-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672006000600018

Martins, CB; Lyra, EVV. Intervenção terapêutica ocupacional com idosos diabéticos: uma revisão da literatura. Geriatrics, Gerontology and Aging. 2012; v. 6, p. 1-11. Disponível em: http://www.ggaging.com/details/217/pt-BR . Acesso em 25 jun.2017.

Duarte, GP; Figueiredo, LRV. A vida cotidiana e qualidade de vida de pacientes atendidos na atenção primária de saúde. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos. 2010; v. 18, n.1, p. 19-33. Disponível em:http//www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/330/265. Acesso em: 23 out. 2016.

Kebbe, LM; Santos, TF; Cocenas, SA. Etapas constitutivas de um grupo de atividades em um hospital dia psiquiátrico: relato de experiência. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos. 2010; v. 18, n. 1, p. 77-84. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/viewFile/336/270. Acesso em: 23 out. 2016.

Wichmann, FMA; Couto, AN; Areosa, SVC; Montanês, MCM. Grupos de convivência como suporte ao idoso na melhoria da saúde. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Rio de Janeiro. 2013; 16(4): 821-832. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232013000400016.

Chacra, FC. Empatia e comunicação na relação médico-paciente: uma semiologia autopoiética do vínculo. [Tese]. Campinas (SP): Faculdade de Ciência Médicas/UNICAMP; 2002. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/code=vtls000300867&fd=y. Acesso em: 24 out. 2016.

Minayo, MCS. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis:Vozes, 2001.

Orlandi, EP. Análise De Discurso: Princípios E Procedimentos. Campinas, SP:Pontes, 2001.

Oliveira, NFO; Munari, DB; Bachion, MM; Santos, WS: SANTOS, QR. Fatores terapêuticos em grupos de diabéticos. Rev. Esc. Enferm USP. 2009; 43(3): 558- 65.http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342009000300009.

Alves, BA; Calixto, AATF. Aspectos determinantes da adesão ao tratamento de hipertensão e diabetes em uma Unidade Básica de Saúde do interior paulista. J Health Sci Inst. 2012; 30(3):255-60. Disponível em:http://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2012/03_julset/V30_n3_2012_p255a260.pdf. Acesso em: 25 jun. 2017.

Péres, DS; Santos, MA; Zanetti, ML; Ferronato AA. Dificuldades dos pacientes diabéticos para o controle da doença: sentimentos e comportamentos. Rev. LatinoAm. Enfermagem. Ribeirão Preto. 2007; 15(6): 1105-12. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692007000600008

Melo, LP; Campos, EA. “O grupo facilita tudo”: significados atribuídos por pacientes portadores de diabetes mellitus tipo 2 a grupos de educação em saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2014; 22(6): 980. Disponível em > http://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n6/pt_0104-1169-rlae-22-06-00980.pdf. Acesso em: 24 out. 2016.

Gonsalves, EP. Iniciação a pesquisa científica. 2 ed. Campinas, SP: Alínea, 2001.

Sandoval, RCB. Grupo de convivência de pessoas com Diabetes Mellitus e Familiares: Percepção acerca das complicações crônicas e consequências sócias crônicas. [Tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2003. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/85559/193923.pdf. Acesso em 30 jun. 2017.

Bittar, C; Lima, LCV. O Impacto das atividades em grupo como estratégia de promoção de saúde na senescência. Revista Kairós Gerontologia. São Paulo, 2011; 14 (4): 101-118. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/10053/7482. Acesso em: 25 jun. 2017.

Araújo, LF; Coutinho, MPC; Saldanha, AAN. Análise comparativa das representações sociais da velhice entre idosos de instituições geriátricas e grupos de convivência. PSICO. Porto Alegre, 2005; 36( 2):197-204. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/viewFile/1390/1090. Acesso em: 29 jun. 2017.

Almeida, EA; Madeira, GD; Arantes, PMM; Alencar, MA. Comparação da qualidade de vida entre idosos que participam e idosos que não participam de grupos de convivência na cidade de Itabira-MG. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 2010; 13(3): 435-44. http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.200912011

Souza, AC; Colomé, ICS; Costa, LED; Oliveira, DLLC. A educação em saúde com grupos na comunidade: Uma estratégia facilitadora de promoção de saúde. Revista gaúcha de enfermagem. Porto Alegre, 2005; 26(2): 147-153. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/23558/000560718.pdf?sequence=1. Acesso em: 26 jun. 2017.

Francioni, FF; Silva, DGV. O processo de viver saudável de pessoas com diabetes mellitus através de um grupo de convivência. Texto Contexto Enferm. Florianópolis, 2007; 16(1): 105-11.h ttp://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072007000100013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB